Escolha uma Página
A Mata Atlântica é um dos biomas mais ricos do planeta. No entanto, existem muitas espécies em extinção devido à sua devastação. Vegetais e animais correm risco de sumir do mapa, e isso interfere diretamente nos seres humanos. Basta ver as queimadas na Amazônia modificando o ar nos diversos estados brasileiros. Para preservar esse importante bioma, nós podemos ajudar também. Conheça as espécies em extinção e saiba como podemos ser um agente de mudança positivo no meio ambiente!

O bioma Mata Atlântica

A Mata Atlântica é um bioma constituído por formações florestais e alguns ecossistemas associados. Sua biodiversidade impressiona, com cerca de 20.000 espécies de plantas, sendo 6 mil exemplares de plantas endêmicas (grande variedade de epífitas: orquídeas e briófitas), e de animais, com 160 espécies de mamíferos e 253 de anfíbios.

O extrato vegetal é constituído por um patamar alto, com árvores de estatura média de 35 metros, e outro mais baixo, de densidade arbustiva. As folhas são típicas de florestas tropicais (latifoliadas e perenifólias, ou largas e persistentes). O bioma se estende pela faixa litorânea do Rio Grande do Norte ao litoral de Santa Catarina. O clima é tropical, quente e úmido, o que provoca chuvas constantes na região costeira.

O início da destruição do bioma

Se a Mata Atlântica é uma das áreas mais ricas em biodiversidade do planeta, infelizmente é também o bioma brasileiro mais devastado, que foi reduzido atualmente a 7% de sua área original (ocupava quase 15% do território nacional). Existem muitas espécies em extinção.

Sua destruição remonta ao início da colonização europeia, com a extração do pau-brasil (Caesalpinia echinata), utilizado em construções e em tintura de tecidos. Em seguida, veio o ciclo da cana-de-açúcar, momento em que houve grande desmatamento. A destruição ambiental da Mata Atlântica se deu, basicamente, para o aumento de áreas urbanas e para a comercialização ilegal das espécies

Espécies em Extinção

Situação das espécies

Os últimos levantamentos do Ministério da Saúde apontaram uma situação grave acerca das espécies vegetais: são pelo menos 276 espécies em extinção. A título de comparação, a Amazônia está nas últimas posições, com 24 espécies, e a Caatinga com 46.

O desmatamento do bioma é a principal causa. As principais espécies vegetais em risco são pau-brasil, palmeira-juçara, pinheiro-do-Paraná, gravatá, gonçalo alves, aroeira do sertão, cipó escada de macaco, jequitibá-rosa, peroba, andiroba, imbuia, mogno, pau-rosa e outras.

O mesmo ocorre com os animais. Podemos citar alguns animais em risco, como:

  • Jacaré-de-papo-amarelo;
  • Tamanduá-bandeira;
  • Preguiça-de-coleira;
  • Cervo do Pantanal;
  • Mico-leão-dourado;
  • Mico-leão-preto;
  • Macaco-aranha;
  • Tatu-canastra;
  • Onça-pintada;
  • Ararinha azul;
  • Lobo-guará;
  • Jaguatirica;
  • Arara azul;
  • Tartaruga;
  • Urubu-rei;
  • Surucucu;
  • Peixe-boi;
  • Flamingo;
  • Pirarucu;
  • Falcão;
  • Jabuti;
  • Anta.

Preservação

A Mata Atlântica possui milhares de espécies da fauna e flora. Algumas delas são endêmicas, ou seja, encontradas somente nessa região. Não à toa, a preservação desse bioma é uma medida urgente e relevante. Tanto é assim que o dia 27 de maio foi instituído como o Dia da Mata Atlântica para incentivar iniciativas de preservação e de proteção ambiental.

Em 27 de maio de 1560, Padre Anchieta escreveu aos seus superiores sobre as belezas e as qualidades da Mata Atlântica presente no litoral paulista, ressaltando as características e a variedade das espécies. E como preservar esse importante bioma? Como cuidar das espécies em extinção?

Espécies em Extinção

A maior parte das ações de preservação é atribuída aos sítios e parques estaduais que protegem as áreas contra a degradação ambiental. No entanto, as áreas particulares também pode ser transformadas em zonas de conservação. E como cada cidadão pode agir para preservar esse bioma? Veja:

  • Não desmatar e contribuir para as ações de restauração e plantio de múltiplas espécies da flora original do bioma;
  • Diminuir o consumo de energia elétrica, já que as construções de usinas hidrelétricas são conhecidas por desmatarem e inundarem partes da Mata Atlântica;
  • Adotar o consumo responsável, adquirindo produtos somente com selos de qualidade, que atestam a legalidade;
  • Diminuir a emissão de poluentes e o consumo de água;
  • Ter cuidado ao entrar na floresta.

 

Nós temos responsabilidade pela degradação ambiental em nosso país. No entanto, também possuímos meios para evitar que as espécies em extinção presentes na Mata Atlântica sumam do mapa. No Terravista Brasil, temos duas Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), que totalizam 362,53 hectares de conservação de Mata Atlântica. Que tal nos visitar?

Fotos de Parque das Aves e InfoEscola.

Conheça o nosso conceito!

Facebook Comments

Precisa de ajuda?Fale conosco