Sebastião Salgado é considerado por muitos o maior fotógrafo da história brasileira.

Olá, tudo bem?

Com cunho social, as fotos de Salgado ganharam o mundo.

A grande maioria é muito impactante, justamente por retratar aquilo que muita gente prefere evitar.

Portanto, caso queira conhecer ainda melhor a trajetória detalhada da carreira de Sebastião Salgado, acompanhe-nos até o final de nosso conteúdo e deixe um comentário caso possuir alguma dúvida.

Leia conosco:

Quem é Sebastião Salgado?

Sebastião Salgado

 

Créditos da foto: El País // Quem é Sebastião Salgado?

Mas afinal, quem é Sebastião Salgado?

Todos nós já ouvimos falar alguma vez sobre a vida deste que é um dos maiores fotógrafos da história do Brasil.

Mas, quem ele realmente é?

Poucas pessoas sabem sobre o seu início, e é sobre ele que falaremos hoje.

Além de outros detalhes.

Seu nome completo é Sebastião Ribeiro Salgado, o qual dominaria a cena mundial de fotografias humanitárias.

Leia conosco:

Início na Economia

Apesar de hoje ser um dos melhores no que faz, Sebastião Salgado nem sempre quis ser fotógrafo.

Foi mais por acaso do que qualquer outra coisa.

Isso porque o mesmo se graduou em Economia, pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Assim, seu caminho estava bem longe das câmeras e fotos.

Ainda realizou uma pós-graduação na Universidade de São Paulo.

Logo após, casou-se com Lélia Deluiz Wanick.

A mesma tinha o sonho de cursar arquitetura na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts de Paris.

Foi então que o casal emigrou para a França em 1969.

Sebastião Salgado iria então trabalhar na Organização Internacional do Café.

A qual, posteriormente, possibilitou suas primeiras viagens internacionais.

Fotógrafo por Acaso

Conforme mencionamos, Sebastião Salgado se tornou fotógrafo por acaso.

Isso porque seus primeiros clique na câmera surgiram na década de 70, em uma das viagens encomendadas pelo Banco Mundial a Sebastião Salgado.

Ali, surgiria um amor pela fotografia que já sabemos como a iria terminar.

Foi então que no ano de 1973, Sebastião Salgado largaria sua profissão para se tornar fotojornalista independente.

Logo após ter trabalhado em 3 agências publicitárias, Salgado já possuía uma visão internacional.

Principalmente após realizar uma série de fotos sobre os primeiros 100 dias de governo de Ronald Reagan.

Salgado documentou o atentado a tiros cometido por John Hinckley, Jr. contra o então presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan no dia 30 de março de 1981, em Washington.

A venda daquelas fotos possibilitou que o mesmo investisse em seu primeiro projeto “Uma viagem a África”.

Características de Suas Fotos

Outras Américas, primeiro livro publicado por Sebastião Salgado

 

Créditos da foto: “Outras Américas”, primeiro livro publicado por Sebastião Salgado // Equador, 1982

Mas, não parou por aí.

Sebastião Salgado continuou a investir em projetos pessoais.

Cada projeto novo era aclamado pelo público, pela mídia e também pela crítica.

Isso porque seu trabalho consistia como forma de crítica social.

Salgado mostrava em preto e branco, a realidade da África em seus detalhes.

Além de outros locais do mundo.

Como seu primeiro livro “Outras Américas” onde documentou em imagens a pobreza na América.

Outro muito aclamado foi “Homem em Pânico”, resultado de uma longa colaboração de doze meses com a organização não governamental Médicos sem Fronteiras cobrindo a seca no Norte da África.

Suas fotos consistem em mostrar aquilo que a mídia não mostra.

Talvez por medo ou então escolha própria.

A realidade que muitas pessoas passam diariamente, mas ninguém documenta.

Êxodos e Retratos de Crianças do Êxodo

xodos e Retratos de Crianças do Êxodo

 

Créditos da foto: “Êxodos e Retratos de Crianças do Êxodo”

Mas, de maneira disparada, a obra que mais ganhou notícia no mundo foi Êxodos e Retratos de Crianças do Êxodo.

A mesma seguiu a linha do fenômeno global de desalojamento em massa de pessoas, o qual Sebastião Salgado já havia fotografado.

O trabalho durou 6 anos, entre 1993 e 1999.

Porém, ganhou maior notoriedade e comoção por um simples fato: as fotos eram, em sua grande maioria, de crianças desalojadas.

Na introdução de Êxodos, escreveu:

“Mais do que nunca, sinto que a raça humana é somente uma. Há diferenças de cores, línguas, culturas e oportunidades, mas os sentimentos e reações das pessoas são semelhantes. Pessoas fogem das guerras para escapar da morte, migram para melhorar sua sorte, constroem novas vidas em terras estrangeiras, adaptam-se a situações extremas…”.

Instituto Terra

Instituto Terra

 

Instituto Terra

Outro grande feito da carreira do fotógrafo, com certeza, é a criação do Instituto Terra.

Fundado em 1998 pelo fotógrafo e sua esposa, o Instituto tinha como objetivo reconstruir a floresta da Fazenda Bulcão.

Localizada no município de Aimorés, a fazenda é de propriedade da família.

Quando o projeto iniciou, o local tinha menos de 0,3% de sua Mata Atlântica ainda conservada.

Hoje, são mais de 2 milhões de árvores, em 608 hectares, o maior projeto de recuperação da Mata Atlântica em termos de área contínua do país.

Esse foi o resultado expressivo de 20 anos de trabalho, e que serve como exemplo para termos de reflorestamento.

Algo tão discutido e debatido em termos nacionais.

Sebastião Salgado ao lado de sua esposa no Instituto Terra

 

Sebastião Salgado ao lado de sua esposa no Instituto Terra

E então, gostou de conhecer ainda melhor alguns detalhes brevemente explicados sobre a vida do fotógrafo?

Ficou alguma dúvida em relação ao conteúdo que trouxemos hoje?

Conte a nós, comente abaixo!

Até a próxima!

Conheça o nosso conceito!

Facebook Comments

Fale conosco